.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os objectivos pretendidos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, padronizadas, politicamente correctas, adormecidas... ou espartilhadas por fórmulas e preconceitos. Embora parte dos seus artigos se possam "condimentar" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade de expressão" com libertinagem de expressão, considerando que "a nossa liberdade termina onde começa a liberdade dos outros"(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico, dinâmico, algo corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausado, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas incursões, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell). Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de interessantes sítios a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão abt com alguma dessas correntes... mas tão só a abertura e o consequente o enriquecimento resultantes da análise aos diferentes ideais e correntes de opinião, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais, válidos e úteis, dando especial primazia aos "nossos" blogues autóctones... Uma acutilância aqui, uma ironia ali, uma dica do além... Assim se vai construindo este blogue... Ligue o som e... Boas leituras.

domingo, 6 de maio de 2012

O BISTURI II




O BISTURI II
Segundo episódio



-O senhor Cidadão já foi operado.

Um bote à vela sulcava a ondulação do estuário do Tejo...O Sol descia suavemente sobre o Mar da Palha que marulhava as águas nos escolhos da margem...
A o aroma da maresia transportava o pio das gaivotas... Sonho agradável... Uma voz melodiosa e angelical vinda de longe, fazia-se sentir.
 -O senhor Cidadão já foi operado...

Estranho... 
Ainda agora este praça se esticou na mesa e já ouvia uma vozinha cristalina dizendo que tinha sido operado?!

-Senhor Cidadão? Está-me a ouvir?

-Sim...

-Sou a Tatiana e estou aqui ao seu lado para o que fôr preciso...

Insólito... Havia que responder a tal apelo onírico...

-Que voz tão linda vinda de uma pessoa com um nome tão bonito... Tatiana... Será que cheguei ao céu e estarei ouvindo um anjinho?

-Não, senhor Cidadão, sou de carne e osso e o senhor encontra-se no bloco operatório.

-De facto, para isto ser no céu falta a música clássica.

Entre dois silêncios, soou outra voz masculina.

-Recuperou a consciência e o humor...
 Aquilo não devia ser sonho...
Este rapaz tentou abrir os olhos para poder conhecer a dona daquela voz...
Não conseguiu... Sentia as pálpebras pesadas... Insistiam em se manter unidas, juntas, coladas...

-Bem queria ver essa menina mas não consigo abrir os olhos...

-O senhor está em recobro. É natural que ainda não consiga abrir os olhos.

-Ouça-me esta. Você é alentejano?

-Não, mas se o fosse, que mal havia nisso?!

Novamente o timbre masculino soando detrás da nuca...

-Um algarvio, um beirão e um alentejano juntaram-se para debaterem o que no mundo atingiria maior velocidade...

-O que atingia maior velocidade? Como assim?

-O que seria mais rápido... Disse o algarvio que o que atingia maior velocidade era a luz, porque a luz se acendia mal ele ligava o interruptor. O beirão deu a sua opinião assegurando que o pensamento seria mais rápido do que a luz porque antes de acender a luz, já tinha pensado em o fazer. Então chegou a vez do alentejano.  “Ainda mais rápido do que isso tudo, é a caganêra... Quando nos dá a caganêra, nã temos tempo nem de pensarmos, nem sequer de ligarmos a luz!”
 Cá o Cidadão bem se riu por dentro ficando com a impressão que os músculos faciais efectivamente não se lhe contraíram...

-Desculpe... Não consigo abrir os olhos... O senhor é o doutor que me acompanhou na evolução da doença?

-Não. Porquê?

-É que o seu timbre de voz é idêntico ao dele...

-É natural. Estudámos todos na mesma casa... Sou o seu anjo da guarda... Recorda-se?

-Para anjo, é um bocado pecaminoso...

-E lá está ele.

-E a menina, quem é?

-Estagiária.

-Gostava de a conhecer...

-Tenha paciência mas você, daqui vai direitinho para a sala de internamento.

Fez-se novo silêncio.
Sentia que alguém mexia nos pensos colados ao peito e nos pneus da barriga...
Estariam a retirá-los...
Com tanto pêlo e não se sentia dôr alguma.
A cama trepidava, rolava.
Ouviam-se sussurros e passos de pessoas.
Provavelmente seria a viagem no sentido inverso... O regresso...
Nova tentativa de descolar as pálpebras... e nada... queria ver mas não conseguia...

-Com que então o senhor (nome completo) veio parar a esta casa? Sabe quem sou?

Depois de uns segundos a rebuscar aquele timbre de voz e ligeiro sotaque, veio à memória uma menina com quem este praça deixara de contactar há mais de vinte e sete anos...
Uma vizinha de outras paragens que nessa época teria treze anos...

-Olá, é a Ayesha! Disseram-me que a menina... desculpe... agora deve ser uma senhora, trabalhava aqui.

-É verdade. Quem diria que um dia nos voltaríamos a encontrar aqui.

-O que é feito de si?

-Olhe, tenho dois filhotes na escola. Você tem a memória auditiva muito aguçada!

-É verdade. Auditiva e olfactiva. São sentidos que se desenvolvidos nas noites de campo e nas caminhadas por essas serras adiante.

-Abra os olhos.

-Não consigo, menina... desculpe... senhora...

-Vá, tente.

-Não vai.

-Abra os óóóllhos, senhor!
 -Tanto que eu gostava de o fazer, para lhe poder espreitar as feições! Ainda há bocado tentei  para poder conhecer uma estagiária detentora de  voz angelical...

-Você está na mesma. Você não mudou, mesmo! Sabe? Se você não abrir os olhos não me chega a ver as feições porque vou acabar o meu turno!

-Que horas são, afinal?

-Três e meia.

-Da tarde, ou da manhã?

-Da tarde!

-De que dia?

-Do dia em que você foi operado.

-Que engraçado. Ao fim de tantos anos, agora tratamo-nos por “você”.

-Pois é, pois é!

Sentia que a enfermeira arrancava o penso que segurava o cateter enquanto a conversa ia fluindo... sentia as dores agudas de pêlos sendo arrancados...

-Posso dizer uma asneira?

-Diga à vontade...

-Chiça!

-Chiça?! Chiça não é uma asneira!

-Ai não é ma asneira? Vá lá consultar o dicionário de Alemão-Português e logo saberá!

-Como há muito tempo! E este Cidadão não mudou mesmo! Agora o senhor vai tentar levantar-se. Lentamente...

Assim foi. Habituado às abdominais, vai daí, num impulso e sem recorrer à alavancagem das mãos...
-Caramba! A coisa deu-se!" " "

Um ruído semelhante a roupa rasgando-se atravessou todo o quarto.
Acabadinho de sair do bloco operatório e logo entornara o caldo!

-Ai senhor Cidadão! O que fez? O que foi arranjar! Que desgraça!!!! Meu Deus! Valha-nos a Virgem Santíssima! Não se mexa! Fique quieto, por favor! Vou chamar alguém que nos ajude!

  -Esse homem é doido! Eu bem vi desde o início! Devia estar na psiquiatria!

O senhor Hitchcock falou e disse. Perdeu uma oportunidade de estar calado. Também, coitado, ainda não houvera dito nada...

-Tenha calma menina, desculpe... senhora...

Sentindo dores, cá o Cidadão passou suavemente a mão direita pela zona submetida à intervenção cirúrgica... 

-Não parece ser daqui... Ora deixe cá ver... melhor...

Inclinando-se suavemente para a esquerda, passou a mão direita pelo traseiro... depois pelo cós...

-Ah! Cá está! Foi daqui! Danos cú-laterais...

-Não me diga que...

-Não digo, não senhora nem muito menos é o que está para aí já a pensar... Diga-me cá a menina, desculpe, senhora, se estas calças são Levis...

-Se são Levis? Não! São roupa hospitalar. Porquê?

-E não são caras?

-Não! Porquê?

-É que acabaram de se rasgar... Deixe cá apalpar melhor... Desde o cós... até meio da nalga esquerda... Eu bem avisei que me ficavam apertadas! Cá têm o resultado.

-Ai que alívio, senhor meu Deus! Você está mesmo na mesma!!!

-Pois é, menina, desculpe, senhora. Vão-me substituindo os casquilhos do corpo mas este espírito mantém-se inalterado... mas isto está a doer... será normal?

-De um a cinco, classifique as dores que sente.

-Talvez... Um!

-Dispa essa blusa e essa calça pronta para o caixote do lixo e depois vista esta roupa, se faz favor...

Foi ao toque do tacto que se trocaram os farrpinhos e a seguir houve que arrear a giga...
Um cansaço apoderara-se do corpo e como ostras, as pálpebras insistiam em se manter cerradas...
Coisa de meia hora depois a dor agudizou-se, um ardor foi-se instalando e a comichão era tal que este praça teve de recorrer ao interruptor de chamamento...
A intensidade das dores era proporcional ao descerramento d as pálpebras.
Recuperada a visão constatou que a cama então vazia, tinha ganho um novo camarada e ao lado, o senhor Jorge vagara a sua...
Regressou a Ayesha... linda como sempre fora.
A serenidade do seu rosto moreno, redondo mantinha-se inabalável e seus cabelos negros, ondulados faziam com que o Cidadão se olvidasse das padecências.

-Olá! Já te vejo. Continuas linda como o eras dantes... A tua pele mantém-se morena...

-Não te esqueças que a minha mãe é goesa.

-Pois...

-Porque chamaste?

-À bocado pediste-me para classificar o grau da dor que sentia... é que subiu para 2,75... ou  3, talvez...

-Já te trago uns sedativos.

-Obrigado.

Cinco minutos após...

-Aqui tens. Bebe com esta água. Sabes, o meu turno terminou. Diz-me, mais uma coisa. Tens a mesma mulher do casamento a que fui convidada?

-Exactamente! A minha Companheira mais do que tudo e que me tem o castigo de me aturar as chatices!

-E tú as dela...

-Claro! Preocupo-me mais que as minhas lhe sejam leves...

-E filhos?

-Dois rapazes.

-De que idades?

-Crescidos, criados, bem nutridos e encaminhados...

-São assim como tú?

-É difícil... Quis o destino que o primeiro fosse mais espartano e conservador. Da direita à esquerda,dos mais liberais aos mais conservadores, dos mais novos aos mais velhos, debaixo do nosso tecto ninguém impõe as suas convicções, mas todos as expomos, as partilhamos, as discutimos e nos respeitamos nos ideais, nos usos, nos costumes e nas opções de vida...na hora dos sufrágios, cada um vota segundo a sua consciência... E assim, cada um segue o caminho que entende dar-lhe maior realização e felicidade...

-Vou-me embora. Gostei de te voltar a ver.

-Mal de saúde, mas isto arriba...

-Com esse espírito, a convalescença tornam-se-te mais fácil... Adeus. Só volto depois de amanhã e com o ambulatório não sei se ainda cá estarás...

-Adeus Ayesha, felicidades para ti e para os teus.

Deu para ver o trajecto para a casa de banho e regressar sem embarrancar nas camas dos vizinhos. 
Sentia que as energias falhavam mas com o alívio das dores, tentava manter os movimentos enérgicos, coisa observada pelo quarto elemento e pelo senhor Hitchcock...

-Senhor... a operação foi difícil?

-Sei lá! Foram os médicos que tiveram o trabalho todo.

-Não é isso. Ainda há bocado você aqui chegou e já se põe de pé, anda de um lado pra o outro como se nada lhe tivesse acontecido...é que a seguir, sou eu!

-Ó amigo! O problema principal está nas nossas mentes! É como levar uma perna às costas!!!

-Só de o ver, até me apetece ir já à faca!

-Faça assim. Separe a mente do corpo mas sem a decapitar. Pense positivo. Pense optimismo. Deixe de matutar na coisa ruim. Confie no trabalho dos clínicos! Pense que você não é o primeiro que aqui veio parar e que isto é a rotina desta gente! São banalidades!

-Não lhe dói?

-Você a dar e o girico a fugir-lhe! Dói porque que a actividade sensorial está nos conformes! A dôr é um simples sinal de alerta.

As horas escoavam tédias. 
Chegou a menina da janta... 
Mais um caldinho, um peixinho e uma mousse de morango... 
Enquanto o televisor debitava as últimas do país e do mundo, pela ampla janela as luzinhas cintilavam...
O manto negro da noite cobrira a paisagem por inteiro.
O semblante do senhor Hitchcock dava ares de descontracção...
Nesta noite olhava o televisor com outra determinação...
Comendo silenciosamente, o quarto elemento não dizia uma única palavra...

-Ó hóme! Não pense mais nisso!

-Não é a si que dói!

O quarto elemento estava certamente mal-humorado.

-Irra, que convencidos! Vocês pensam que a galinha da vizinha é sempre melhor do que a vossa!!! Convença-se que com essa maneira de pensar, as coisas se lhe tornam mais difíceis de ultrapassar! Isso é uma espécie de autoflagelo!

-O que é isso?

-Repare. Na páscoa já viu aquelas reportagens na televisão em que os filipinos se chicoteiam asi próprios para se assemelharem a Jesus Cristo durante a via-sacra?

- Como as pessoas que cumprem promessas, arrastando-se de joelhos no recinto de Fátima até sangrarem?

-Pois, por exemplo! Você não está aqui para cumprir uma promessa pois não?

-Não. Mas estou aqui para ser operado!

-Pois bem! Se a operação lhe correr bem, cumpra a promessa da autoflagelação no recinto de Fátima!

-Só se fosse doido!

-Então, está a ver a nóia! Porque se flagela psicologicamente aqui? Acredito que até já teve suores gelados e estados febris por causa da sua situação!

-Pois tenho! É da doença...

Não é da doença, não! É do medo que você sente! O que você sente é pânico à operação! Coração ao largo, home! Isso não lhe adianta e só lhe complica com o sistema cardiovascular!

-Tem razão...

Ao Telejornal seguiu-se outro elo...
O da debilidade de um concurso em horário nobre onde participantes esperançosos nuns cobres se sujeitam às humilhações verbais do rapazola arrogante e convencido que com esgares desdenhosos, péssima dicção devoradora de sílabas e redundante nos termos, recorre a terminologia indigna da condição humana e a movimentos bruscos, comprometedores das fixações da cabeça ao tronco, granjeando-nos com improvisado léxico da verborreia portuga. 
“Corja de azeiteiros,”  “cambada de arvéolas,” “gente fraquinha,” “súcia de asnos,”  “atrasados mentais,” "completamente ridículos," “ data de burróides,”  ”macacóides,” “ “infantilóides,”  “debelóides,”etecetera e tal, tomando por certas algumas soluções erradas e como erradas determinadas  respostas acertadas pelos concorrentes.
Mais vale passar pela situação degradante de correr à cadeia de hipermercados comprar um pacote de manteiga, no flashmob nacional de 50% de desconto sobre o valor das compras superiores a 100 €uros, oportunamente lançado no dia do consumidor... desculpem, do Trabalhador, com o povo galgando prateleiras e expositores numa atitude terceiromundista semelhante ao assalto aos camiões e aos pára-quedas com caixotes de ajuda humanitária lançados pelas aeronaves fretadas pela Organização das Nações Unidas, que infelizmente noutros termos cá o Cidadão houvera presenciado nas margens orientais do hemisfério sul do planeta Terra sacrificado pelos malefícios da cobiça de humanos sem escrúpulos que do pó vieram e no pó se transformarão, desconhecendo porém que a sua vida terrena é uma mera passagem de algo para algo! 
Em abono da verdade, ao apercebe-se da mobilização das massas nacionais, este Cidadão recorreu à telefonia fazendo zapping's por tudo quanto era emissora na suposição de que algum Orson Welles do Séc XXI tivesse resolvido repetir a gracinha de 1938, reportando a hipotética Guerra dos Mundos, com o dramático relato de uma invasão extraterrestre.
A pobreza de espírito do tal concurso deixou o Cidadão mais doente do que até então estava!
Ao que aquelas pessoas se sujeitam!
Vindo o carrinho do chá e das bolachas já o senhor Hitchcock ferrara a dormir perante a expressão alheada do quarto elemento que sentado à mesa, ia cruzando olhares com o Cidadão...

-Bon ápeit!

-Obrigado, amigo. Há muito que não ouvia assim umas palavras de conforto e ainda por cima vindas de alguém que acabou de passar por elas... Lá em casa...

-Eu sei... Escusa de o dizer... Coragem e pouca cisma!

Mais uma drágea ingerida e vai daí, foram desligadas as luzes e o televisor...

-Até amanhã, camaradas!

-Até amanhã.

-Até amanhã!

Regressou a voz do enfermeiro de turno.
A noite refrescara havendo que cobrir as orelhas com o cobertor de lã.
Não fora necessário mais do que um quarto de hora para que com as intermitências dos tubos fluorescentes este praça só regressasse dos braços de Morfeu na madrugada do dia seguinte...
Termómetro de ouvido, medidor de pressão arterial, saquinhos de soro, outros artefactos esquisitos e um punhado de auxiliares e enfermeiros invadiu o sossegado compartimento.
Era a hora do senhor Hitchcock e do quarto elemento um pouco confusos, alinharem no mesmo ritual pré-operatório dum Cidadão consciente que lhes tornara os minutos mais fáceis...
De quando em vez olhavam nesta direcção, tendo um sorriso confiante e um de piscar de ôlho por correspondência...

- Que Deus vos acompanhe.
 -Olá, senhor! Hoje vai ter alta hospitalar. Depois de o senhor doutor o ver e se tudo correr conforme o previsto, vai vestir as suas roupinhas, arrumar as suas coisinhas e aguardar que os seus familiares o venham buscar. A enfermeira chefe irá explicar-lhe quais são os procedimentos a tomar e para a semana regressará a uma consulta de rotina para verificarmos se tudo corre conforme o previsto.

Outra enfermeira! Diacho p'ra tanta enfermeira! Um tipo queria reflectir e não podia! Um desassossego completo!

-Gaita! Agora que me estava a sentir aqui tão bem, distante do mundo e do rebuliço, longe de tudo e de todos e sem preocupações de maior, é que me mandam embora? Não poderei ficar mais uns dias a descansar?

-Não senhor! Precisamos vagar a cama. Isto é serviço ambulatório.Sem preocupações de maior?A doença não o apoquenta?

-Ao menos até saber como correram as operações aqui aos meus companheiros de quarto!!!

-Tenha paciência...

-Pronto! Está bem! O que havemos de fazer! A menos posso tomar duche?

-Ó homem!!! Hoje não! Desmanchava-lhe o penso! Lave a cara e as partes baixas se quiser!

Como se dor não houvesse, lavaram-se os dentes e as partes pudengas, vestiram-se os trapinhos civis, tomou-se o pequeno-almoço composto de pão, doce e café-das-velhas, retribuindo este praça o sorriso e um obrigado àquelas admiráveis senhoras que meio intrigadas e confusas, deveriam estranhar a amabilidade vinda de alguém pensado, agrafado, cosido e recém-saído do fio da navalha cirúrgica.
A propósito, caro ciberleitor, um sorriso não nos custa nada e induz muita esperança.
É uma lembrança que perdura por toda uma vida...
Um sorriso não pode ser comprado, pedido emprestado ou roubado, e não tem qualquer utilidade enquanto não for esboçado!
Se na sua vida encontrar alguém cansado, distante, absorto, aflito demais para lhe poder esboçar um sorriso, deixe-lhe o seu, singelo, sincero, simples e optimista porque mesmo que alguém arrogante dispense sorrisos, ninguém precisará tanto de um sorriso quanto aquele que não tem sorrisos para lhe oferendar...
Mesmo que o seu autor não tenha palavras, domine outra língua,  não se saiba expressar ou seja surdo-mudo, um sorriso sincero no momento certo transmite tudo de bom a quem o recebe.
Agora imagine ciberleitor, se quem o recebe, também lho retribui?
No mínimo, será gratificante!
Quanto aos animais, esses sorriem-nos com o abanar da cauda...
Foi imbuído em profundos pensamentos que este rapaz não deu pela visita do médico e de tantos outros acompanhantes de batas brancas!

-Sim. Senhores... Reparem neste tipo de costura... Devido à delicadeza da cirurgia com riscos acrescidos para o paciente, tivemos que recorrer a um ponto diferente do comum... foi a primeira vez... a ver se isto corre bem...

-Foi uma costura diferente, senhor doutor?

-Um bocado delicada... Durante as próximas três semanas você poderá vir a sentir bastante desconforto... mas se tudo correr conformo o previsto... fica em condições...

-Disse o doutor que aplicou em mim uma nova técnica de costura?

-Okai... uma vez que lhe foi substituído um elemento estranho e de maiores dimensões... foi aplicado  ponto em xis... para que o trabalho não se desmanche...

-É a isto que se pode designar por ponto-cruz...

Os acompanhantes de bata branca saíram por uns instantes do quarto, percebendo-se que abafaram os risos enquanto o médico compenetrado em  sérios esgares, vociferou...

-Que engraçado!!!

-Que engraçado?! Eu é que não acho graça nenhuma! A mim é que me dói, me arranha e isto faz-me uma comichão do catano!!!

Mais risos vindos do exterior!

-Então? Colegas? Querem assistir a isto, ou não?!

O exército de bata branca voltou a circundar o Cidadão...

-Daqui você segue direitinho para casa sossegar e durante as próximas semanas vai tomar os medicamentos que lhe irei receitar... Não faz esforços, não bebe álcool, não anda n a rua, não entra em contacto com pessoas doentes, constipadas, etc, enfim, durante três semanas vai fazer uma vida celibatária!!

-Não me diga que não vou poder saltar de pára-quedas, fazer Bungee jumping ou fazer caminhadas?!

-Que género de caminhadas?!

-Montanhismo. Trepar montanhas...

Rostos de espanto entrecortaram-se em finos risinhos.

-E saltar à corda?

-Este homem não pode estar quieto! Este homem é irrequieto!Este homem é doido! Este homem não existe! Não brinque com coisas sérias! !! Faça o que eu lhe recomendo e sossegue senão vou ter que lhe receitar metilfenidato!

-Mais outro?! Assim não será necessário tomar o pequeno-almoço!

-Tem aqui este número de telefone. Se as cosas se complicarem, contacte de imediato os nossos serviço e passe bem.

Assim foi! 
Bacalhau esticado e receitas passadas em triplicado, chegou a hora das despedidas ao pessoal hospitalário como se tratasse de uma amizade travada a longa data em que este praça agradeceu do fundo do coração todo o trabalho e dedicação por eles dispensados, deixando o manifesto de admiração, elogio pelo trabalho desenvolvido, dedicação, paciência e estômago a que estes profissionais de saúde se tem de sujeitar, vastas vezes incompreendidos e maltratados pelos utentes. 
Éne rostos sorridentes e expectantes foram deixados por detrás das portas bamboleantes, regressado a caselas sem saber novas dos camaradas de quarto, e ao fim de três dias, dando uma vontade imensa de cronicar.
Cronicar, mas devagarinho!
Era premente limpar o pó ao teclado, alimentando o bendito vício da escrita...
Duas semanas após, houve um primeiro regresso ao “local do crime...”
Lá estavam os mesmos médicos, as mesmas enfermeiras, os mesmos assistentes, os mesmos estagiários e os mesmos auxiliares...
Engraçado como todos davam ares de terem reconhecido esta praça...
Chamado ao consultório e examinada a costura o médico rodeado pelo exército expectante de bata branca murmurou...

-Isto não ficou nada de bom... Isto não correu bem...

De seguida gritou!

- Meus senhores! Isto está óóóptimo!

-Dããsse! Ò doutor! Assustou-me! Ganhe calma!

-Sabe que esta foi uma intervenção algo delicada? Foi uma intervenção que envolveu riscos?

-Atão nã sei? Comigo, na minha vida tem sido tudo de risco, tudo delicado! Estou habituado! Sabe... Doutor... Quando novo, aí pelos meus dezasseis anos ingressei num curso de desenho técnico onde me habituei a dominar o risco...

-E  você com ideias! Quem mexeu neste aparelho? Isto ficou desafinado! É sempre a mesma coisa! Mexem, mexem, mexem e depois quem se segue que é que tem de afinar os graus!

A conversa era agora direccionada para os assistentes de bata branca cujos semblantes se carregavam...

-Ó Doutor! No tal curso de desenho técnico que lhe referi, o arquitecto bem nos avisava que o compasso e a mulher não se emprestam a ninguém... explicava ele que quando no-los devolvem, ambos vêm diferentes, desarticulados, desatarraxados, desafinados.. e quando por nós reutilizados, os traços nos saem irregulares e o projecto acaba borrado!
Novos risos abafados...

-O meu amigo tem as suas piadas... mas está correcto.. o que disse é bem verdade...

-No compasso ou... na mulher?

-No compasso, claro!! Bom... (pigarreando)Vamos ao que interessa... ora bem.. temos aqui um paciente cujos tecidos regeneram com bastante facilidade...facilitando a cicatrização...

-Kiwis e pau-d’arco... Senhor Doutor...

-Kiwis e pau-d’arco?


-Tenho por hábito terminar as refeições com um kiwizito e à noite, tomar uma infusãozeca de pau d´arco, prá sossega...

-Os colegas estão ao ver? São hábitos alimentares saudáveis que resultam a longo prazo... o chá de pau d’arco é óptimo para combater os problemas de estômago, desenvolvendo imunidade contra ataques virais...

-Chá, não! Infusão...Senhor Doutor...

-Como assim?

-Porque chá é o nome específico de uma planta... A Camellia sinensis com as variantes do chá preto, chá verde, chá branco, chá príncipe, cujas folhas  podem ser oxidadas, maceradas...

-Vá dar aulas de botânica e de medicina tradicional para outra freguesia! Isto não é Vilar de Perdizes, é um hospital. Não é um congresso de medicinas alternativas com o Padre Fontes.

-Que indelicadeza...

-Para terminar e porque tenho mais doentes para assistir, posso-lhe seguramente afirmar que durante todo este processo, a sua postura e a sua atitude ajudou bastante no sucesso da intervenção cirúrgica, tanto a nós que aqui aplicámos esta técnica pela primeira vez, como a si, para que as coisas nos tivessem corrido de feição e quando precisar de nós, cá estamos para o receber! Felicidades!

-Obrigado Doutor... Para lhe ser sincero, gostei de aqui estar.

-Vá tomar a medicação. Daqui a uma semana pode meter-se nas suas aventuras mas sem abusos, e duas semanas depois volte para o voltar a observar. Passe pela secretaria e acerte a data da consulta.Entretanto se as coisas lhe complicarem, tem aqui o número de telefone para poder contactar os nossos serviços.Sempre ao dispôr.
Com o derradeiro frenético aperto de mão cruzado entre médico e paciente, abalou este praça com a esperança, a fé e a confiança de um dia ali voltar pois Deus fez bela a amizade que nos guardará em unidade e decerto um dia nos tornará a reunir... 
Desculpem, são resquícios do escutismo e das introspecções que se praticam por estas bandas... 
Ah! 
Mergulhado num oceano de pensamentos, ia esquecendo o essencial... esta crónica teve inicio aqui.

16 comentários:

nmpg disse...

Não há dúvidas que a blogosfera abrantina não seria a mesma coisa sem o bom humor deste blogue.

As melhores e cumprimentos

alcolobre disse...

É sempre a bombar,são umas atrás das outras sem dar folego.Apanhei uma dor de barriga pior que o alentejano.Quem por lá passou sabe bem que estas coisas dos hospitais~sao autenticas e da maneira como são contadas até parece que estamos a viver as situaçoes.O senhor nmpg tem razão.Como nos habituou,as histórias humoradas deste homem fazem falta em Abrantes.

Aqui - Ali - Acolá disse...

Com elas ou sem elas?

Ali, na baixa Lisboeta no largo de S.Domingos a boa ginjinha Espinheira que muita vez era o consolo de uma boa disposição depois de tomado um ou dois copinhos, fazia esquecer um tempo de vida militar tão rude e debaixo de uns ordeiros comandos chefes que nada lhes escapava, mas que implantavam na mente dos seres humanos uma ordeira classe de personalidade que foi enfrentada com certo orgulho até chegar o dia de partir para a longínqua terra terra africana onde aí, o bom se juntou ao mau e até ao péssimo mas que na pele, as marcas de tantos momentos variados ficaram para sempre.

Mas agora perguntará V. Ex.ª o que tem este testemunho a ver com este post?

Muito simples de detectar:

Com elas, se trincava o prazer de saborear um fruto quase cristalizado no banhar de um líquido muito apetitoso.

Sem elas, era ter o prazer de sentir correr pela garganta abaixo esse tão apetecível líquido que por vezes era um bálsamo reconstituinte da mente para enfrentar muito do que a vida dura de então nos apresentava.

É assim que por vezes temos que encarar aquilo que nos surge pela frente, uma mente desligada do corpo para que a dor não se possa sentir nem tão pouco aquilo que a vista possa alcançar nos faça fazer recuar do que nos é destinado.

Com este meu comentário, está definido o sentimento daquilo que somos capazes de enfrentar perante situações como a que aqui está exposta neste post.

Quando se diz que:

O Amor Comanda a Vida, também se pode juntar a tudo isto que o principal é:

A mente tudo controla, sendo ela a verdadeira razão do proceder do sentimento humano.

E neste post, a mente assim o afirma ao ler-se que no meio de tudo isto está a força íntima de encarar os maus momentos com toda esta força de um íntimo forte e uma mente que se separa do corpo para que as duas coisas possam resultar com êxito.

Com elas ou sem elas.

Mais um poste que para mim considero de 5***** porque assim o acho na forma de sentir as coisas na realidade.
-----------------------------
Uma nota que já à algum tempo ando para a referir mas que agora aqui a exponho:

Com tanto modelo de aspecto requintoso que hoje em dia se pode fazer na área da programação informática o Blogger agora nos deu esta borrada de temas, fundos e estilos que não lembra ao diabo.

Até parece as casas da Aldeia Branca onde todas são da mesma cor.

Dasss...

Tudo bom lhe desejo e restabelecimento de uma óptima e rápida recuperação.

Ah.. E que as teclas não tenham descanso.

Doutor Graciano Lello Beiramar disse...

Cuidado cidadão, que as finanças andam a implantar um dispositivo de controlo da mente em todos os operados pelo SNS.

Boa recuperação!!

O Cidadão abt disse...

Confúsio...

Esta madrugada cá o Cidadão abt acordou sobressaltado com um novo pensamento, algo confúsio...

..."A Europa mudou de Sarkozy, mas a Merkel é a mesma"...

habemvs dictvm...

Fátima disse...

Cidadão.

Reparo que nas suas andanças pelos meandros hospitalares não referiu o voluntariado no entanto como todos os outros que tem publicado, este relato é de uma riqueza incomensurável onde todos nós podemos parar no tempo e pensarmos um pouco o nosso existencialismo.
Na sua dissertação sobre o sorriso poderei concluir que aquele que não sorri, o sisudo, sorrirá com a cauda.
Não se esqueça porém que o sorriso também compra, o sorriso poderá ser um instrumento de traição.
É necessário termos muita cautela com os falsos sorrisos, geralmente se forem sorrisos amarelos.

O Cidadão abt disse...

Alcolobre:

Se tem queixas a dar, o melhor que faz é deixar de consultar esta xafarica mas como nesta altura do campeonato terá criado dependência, que tal tomar uma infusão de alface ou um Guronsan antes de ler estas crónicas?

Na bula da xafarica tem as advertências sobre os efeitos secundários!

O Cidadão abt disse...

Aqui-Ali-Acolá!

Cá o Cidadão vai tentar ser breve;

Uma das vantagens do serviço militar obrigatório era precisamente misturar os bons com os maus o que resultava na educação, sociabilidade e maturidade dos jovens.

Quando por vezes os Júniores destas bandas se engalfinhavam em brigas, cá o Cidadão costumava observar:
Não faz mal que briguem porque se estão a educar entre si. E não falhou!

Da ginjinha, shot tipicamente alfacinha, é uma tradição que se vai esvanecendo com a introdução das normas comunitárias do fundamentalismo higiénico com a polícia de fiscalização a exercer pressão no sentido de se acabarem as tascas com balcões corridos em madeira impregnada de tinto, recipientes em barro e utensílios de madeira.

Com elas ou sem elas, o certo é que aqui em caselas felizmente a Companheira essa dedicada às alquimias botânicas e atreita aos meandros da cultura popular, sabe confeccionar uns licores de se lhes tirar o chapéu, inclusive um composto e soberbo éter de ginja espessa, trazida da região do Caramulo, ao ponto de em certa ocasião, ter sido oferecido um cálice dessa substância a um senhor oriundo dos países do leste europeu que o rejeitou uma, duas e três vezes...

Quando relutante, a chegou os lábios, entornou-a de uma assentada e pediu mais!

Um das passagens dos mobilizados que embarcavam no Príncipe Perfeito, no Pátria, no Santa Maria, no Niassa, no Vera Cruz, e no D. Afonso Henriques rumo à guerra colonial era precisamente irem dar um girinho pelas tasquinhas lisboetas entornar ginjinhas com elas e também, ir a “elas” que em Alcântara sabiam que nem ginjas.
Assim partiam mais consolados, muitos sem bilhete de regresso.

A seu tempo este Cidadão contestou o serviço militar obrigatório interpretando-o como um local onde nada se aprendia, onde se embrutecia e um atraso para a planificação do futuro.
Alguns colegas safaram-se à boa, metendo objecção e amparo de pais enquanto este praça, curioso por saber o outro lado da medalha e porque as circunstâncias de momento o obrigavam, avançou!
Por ironia, enquanto por lá esteve, foi-lhe incumbida a missão de investigar no terreno os inquéritos de amparo e as objecções de consciência por motivos religiosos.

Graças a este alguns jovens safaram-se à boa, decerto por lhes ter sido explicados pormenores cruciais de aperfeiçoarem os motivos de objecção e amparo.

Depois deste praça ter saído (passado à peluda), e olhado para trás, concluiu que com a tropa, afinal aprendera muito e por lá fez grandes amigos.

Foi na tropa que aprendeu a precisar dos outros, que aprendeu a sofrer, que aprendeu a partilhar, que soube de entreajuda, que soube de solidariedade, que aprendeu a ser modesto e a interpretar as hierarquias com respeito, liberdade e lealdade.
Enfim, na tropa se fez homem.

O Cidadão abt disse...

Hoje o ritual de passagem para adulto é mais breve.
Consiste em ir passar uma semana a Lloret del Mar ou outro destino semelhante, sítios onde perdem a virgindade rebentando os fígados com destiladas e fermentadas de caixão à cova, onde se prestam provas de bravura toureando carros ou saltando de sacadas para piscinas, etc.

Quando de lá regressam, são uns homenzinhos e umas mulherzinhas.

Hoje temos duas gerações em que tanto os pais como os filhos não passaram pela escola do serviço militar, daí as consequências em termos de comportamentos sociais em que os mais velhos nem têm algo para transmitir aos mais novos, tal como sejam noções de respeito, educação, lealdade, solidariedade, luta, persistência, tenacidade, etc, confrontando-nos com uma geração de 80% de frouxos!
Felizmente, nesse aspecto hoje os jovens podem verter as ginjinhas sem ser por ritual de partida para as savanas africanas.

Nos tempos mais recentes o Blogger e os seus afins como o Picasa, não param quietos, sempre com alterações nas formatações, presumindo-se que, para dar trabalho e emprego aos jovens informáticos, quer directa, quer indirectamente.

Conseguem-se no entanto encontrar modelos em que se podem trabalhar os fundos, as dimensões e as cores ao nosso gosto, como acontece com estes do Cidadão.

É verificar a identificação do modelo no fundo desta pantalha, por debaixo da linda menina amarela que por lá se encontra deitadinha com uns sapatinhos e uma flor vermelha no cabelo, à espera da sua visita.

Se está referindo o aspecto do painel das ferramentas, as funções que no antigo se encontravam em cima e na horizontal, neste modelo estão à esquerda, na vertical, mas depois de entrar na página, primeiro terá que clicar sobre o título do seu blogue para aceder a essas funções.
Em ganhando habituação já não sentirá dificuldades em dominar o dito cujo.

O ciber-estimado Aqui-Ali-Acolá nem calcula a trabalheira que dá, construir um post de alta tensão com esta envergadura!

No final é gratificante sentirmos o feedback e as estatísticas das visitas subindo exponencialmente.
Há post’s publicados o ano passado que sofrem picos de visitas como se tivessem uma semana de publicação!

Entre outros como o “Santa Catarina”, “O Tubucossauro,” “Os barulhos do Silêncio” ou a saga do “Cidadão abt em busca do crocodilo perdido” toda à escadinha, são visitas aos magotes, por demais!!!

È isto, o que dá vontade de continuar!

Quanto ao dar descanso às teclas, agora é a fase de responder à correspondência que vai pingando, quer nesta caixita dos pirolitos quer através do @ que se trata do endereço electrónico.

Mande sempre!

O Cidadão abt disse...

Graciano Lello Beiramar!?

Ainda bem que alertou para um assunto que passava despercebido cá ao cidadão!!

O Doutor Beiramar saberá que numa certa ocasião este praça teve precisamente uma touca com uma série de ventosas cravadas na mente e uns fios eléctricos ligados a um monitor de electroencefalograma, ou uma treta parecida que vomitou uma tira de papel com um gráfico bastante irregular???

Então será isso!

Os fulanos do SNS andam a estudar o meio de cobrar uma taxa sobre a actividade cerebral do contribuinte!!

Se a coisa for contabilizada durante a quarta fase REM do sono, a facturação subirá bastante por motivo dos sonhos fantasiosos!

Reside aqui uma violação da privacidade e da lei de protecção de dados na medida em que cá a Companheira passaria a ter acesso às facturas e tomaria um vago conhecimento de que infidelidades oníricas se tratam! Resta saber se o valor da taxa incidirá em função do hardcore!

Quer lá ver que os fulanos enfiaram um microchip algures para contabilizarem os impulsos cerebrais e cá o Cidadão abt desconhece a situação?

....?????....

E se nos monitorizam os pensamentos?

!!!!!!!!!!!

Para pagarmos um imposto reduzido, que seria o ISP- (Imposto Sobre o Pensamento) o melhor é termos cérebro de ervilha, não pensarmos, sermos asnos, ovelhas de rebanho ou formiga de carreiro...

Agora suponhamos que seja criado um RDP -(Regulamento do Pensamento) com coimas e tudo!

Um desgraçado mal aviste uma garota na rua...

Tunga! - Toma lá que já almoçaste!

Mas eu não disse nada, senhor GBC - (Guarda da Brigada dos Costumes)!!

-Não disse, mas pensou!... São sem euros!

Só cenas para nos atormentar, Mon Dieu!

O Cidadão abt disse...

Fátima:

O Voluntariado.

Foi de facto uma falha de que este Cidadão se redime, embora não se tenha enquadrado no desenrolar dos acontecimentos em causa.

O voluntariado consta daquelas senhoras de bata amarela com riscas brancas que empurram uma mesinha com rodinhas livres, oferecendo chá, café d’avó e bolachas maria ou de água e sal.

É uma pena ver a indiferença dos pacientes que esperam pela consulta, impávidos e serenos perante a oferta.
Nem com um sim ou um não, um obrigado ou um sorriso lhe correspondem.
Sala após sala, corredor após corredor, as voluntárias vão insistindo e o pessoal, mudo e quedo.
O mesmo giro passa pelos quartos de internamento.

Aqui está outro ponto que faz bué da confusão cá no sótão do Cidadão.

Quando abordado, este faz questão em aceitar qualquer coisinha, pelo mínimo que seja, no sentido de dar o tal sinal positivo, o tal feedback a quem decerto se sentirá ignorado.

No fim, um obrigado, um sorriso. Nota-se que alguns dos que assistem sentados, olham com cara de reprovação pelo acto, talvez pensando que “este não comeu em casa e vem para aqui com fome”

Podemos encontrar estas prestimosas senhoras à entrada dos hospitais, onde vigilantes, se predispõem a ajudar em tudo o que lhes tiver ao alcance.

Na ausência de expressão facial, nada mais certo do que abanar o rabo, não acha?

Sim, o sorriso pode-se tornar num instrumento para instrumentalizar...

Sem serem sorrisos asiáticos, outros sorrisos que tenham tom amarelo são para desconfiar, tal como os sorrisos estáticos em que os autores encarquilham o rosto mostrando-nos os dentes geralmente branqueados.

Um sorriso cibernético para si!

O Cidadão abt disse...

Pois bem...Caro NMPG...

Porque o ácido alendrónico, o colecalciferol e o ibuprofeno não são tudo, que estes dois modestos post's descritos no fio do bisturi sejam uma lufada de ar fresco para o rápido restauro da sua articulação tíbiofibular!!!

Doravante estime os seus tendões de Aquiles com humor e bastante carinho!

LOL!

Joaquim disse...

Cláusula primeira:
Enquadrado no plano orçamental de contenção económica, beneficiam da isenção de chip os cidadãos sonâmbulos,os que pensam alto e os cidadãos que monologam.

Confesso a Deus todo-poderoso e a vós irmãos, que pequei muitas vezes por pensamentos, palavras, actos e omissões, por minha culpa, minha tão grande culpa.

Para remissão dos pecados são vinte Ave-Marias, vinte Pai-Nossos, cinco escudos pra a aparóquia e uma semana de Rosários pelos teus pecados.

Era assim no tempo dos nossos avós.

A brigada dos costumes funcionava.

Com a tecnologia de ponta é bem natural que um destes dias se introduza um chip no cérebro para se professar determinada religião ou seguir uma ideologia.
Para os estudantes a introdução de um chip seria o ideal.

O Cidadão abt disse...

Solução, caro Joaquim;

Ao instalar o michochip há que deixar uma tomada de USB numa das têmporas para melhor se poder reprogramar o cidadão consoante o vento político, o credo e o clubismo da época!

Pen espetada na têmpora e está a andar e a comer tremoços!

HORTA F's disse...

C'um catano ó Cidadão... essa tirada da Merkel é mesmo digna do Confúsio.

O Cidadão abt disse...

Tramagalense:

“A Europa mudou de Sarkozy mas a Merkel é a mesma”

A esta hora já o Confúcio deu três voltas e dois murros na tumba por lhe terem ido ao pensamento!

Esta frase teve origem cá na Companheira que em pensamento é bué mais radikal do que o Cidadão, ou seja, em fecundação de ideias, a Companheira está para o Cidadão como a pólvora está para o lume!

Quantas vezes ela espreitando por cima cá do ombro, sugere, corrige ou censura o que este praça vai digitando!
Tímida na escrita mas arrojada em disposição e em ideias!

“Não publiques aí essa serigaita que tem as maminhas expostas demais senão depois o pessoal não pára de enviar comentários”

No dia em que um dos dois faltar, “O Cidadão abt” deixa de ter sentido.

Portanto ciber Tramagalense, esta célebre frase não é da autoria de Confúcio mas de Confúsio, gerada às primeiras horas da manhã e no meio de uma grande confusão porque se tinha acabado a pilha no despertador e ao desfazer a barba, enquanto a rádio noticiava a saída do Sarkozy, aconteceu um acto falhado cá da parte do Cidadão que resultou num lanho facial sobressaindo a força de expressão “Merkel” que inusitadamente substituiu a tradicional “chiça”!

Vai daí, cá Companheira sai-se com esta:

”-Porra, pá, o que fizeste agora! Menstruaste-te da cara! Só sangue!!! Isto, o dia está a começar mesmo mal! Olha que a Europa mudou de Sarkozy mas a Merkel é a mesma!!!”

Lápis hemostático 4 4 4 da Maria Teresa, impregnado de sulfato de alumínio para cima e está a andar!

Mande novas disposições!