.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os objectivos pretendidos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, padronizadas, politicamente correctas, adormecidas... ou espartilhadas por fórmulas e preconceitos. Embora parte dos seus artigos se possam "condimentar" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade de expressão" com libertinagem de expressão, considerando que "a nossa liberdade termina onde começa a liberdade dos outros"(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico, dinâmico, algo corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausado, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas incursões, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell). Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de interessantes sítios a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão abt com alguma dessas correntes... mas tão só a abertura e o consequente o enriquecimento resultantes da análise aos diferentes ideais e correntes de opinião, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais, válidos e úteis, dando especial primazia aos "nossos" blogues autóctones... Uma acutilância aqui, uma ironia ali, uma dica do além... Assim se vai construindo este blogue... Ligue o som e... Boas leituras.

sábado, 15 de outubro de 2011

IMPACIENTES

IMPACIENTES



-"Nós estamos impacientes..."
-"Nós não podemos aumentar esta receita, aumentando mais os impostos..."
-"Nós não devemos aumentar os impostos..."
-"Que lata..." 
-"O orçamento apresentado na Assembleia da República este ano de alguma maneira vai buscar a quem não pode fugir, que é aos funcionários públicos..."
-"Nós não podemos fazer em 2011 o mesmo que eles fizeram no passado..." 
-"Não dizemos hoje uma coisa e amanhã, outra..."
-"O País quer mesmo saber se nós somos como os outros até aqui..."
-"Não basta austeridade e cortar..."
-"Não se pode cortar cegamente..."
-"É que as medidas agora anunciadas traduzem uma incompreensível insistência no erro..."
-"E que representa sempre o mesmo esforço de tratar os portugueses à bruta e de lhes dizer:  agora não há outra solução..."
-"O que o País precisa para ultrapassar esta crise não é de mais austeridade porque Portugal já vive em austeridade..."
-"Espero como Primeiro Ministro não dizer ao País, ingenuamente, que não conhecemos a situação..."
-"Nós precisamos valorizar cada vez mais a palavra para que quando ela é proferida, possamos acreditar nela..."
*Pedro Passos Coelho, dixit.
Toma. Embrulha e...vai buscar, Tibi!

8 comentários:

RL disse...

Data de nascimento: 24 de Julho de 1964

Formação Académica: Licenciatura em Economia – Universidade Lusíada
(concluída em 2001, com 37 anos de idade)

Percurso profissional: Até 2004, apenas actividade partidária na JSD e PSD; a partir de 2004 (com 40 anos de idade) passou a desempenhar vários cargos em empresas do amigo e companheiro de Partido, o Engº Ângelo Correia, tais como:
(2007-2009) Administrador Executivo da Fomentinvest, SGPS, SA;
(2007-2009) Presidente da HLC Tejo,SA;
(2007-2009) Administrador Executivo da Fomentinvest;
(2007-2009) Administrador Não Executivo da Ecoambiente,SA;
(2005-2009) Presidente da Ribtejo, SA;
(2005-2007) Administrador Não Executivo da Tecnidata SGPS;
(2005-2007) Administrador Não Executivo da Adtech, SA;
(2004-2006) Director Financeiro da Fomentinvest,SGPS,SA;
(2004-2009) Administrador Delegado da Tejo Ambiente, SA;
(2004-2006) Administrador Financeiro da HLC Tejo,SA.

Se a este "formidável" emparelhar-mos um Durão que por vassalo nos Açores foi gratificado com a Europa com um Cavaco que nunca deveria ter saido do poço... perdão, agora é fonte!
Uma choldra, já dizia o outro!

O Cidadão abt disse...

Ciber RL!


É necessário relembrar estes flagrantes com menos de um ano, para que não caiam no esquecimento de um povo com a memória tendencialmente curta!


Mais um que conseguiu chegar ao poder iludindo o povo com promessas incumpríveis.

O académico, refém das pressões económicas internacionais e das couves de Bruxelas condimentadas a cherne, só apresentou a sua política económica de sobrecarregar o povo depois de saber os resultados eleitorais da Presidência ao Governo Regional da Madeira!

Definidos esses resultados, nós os cubanos, também vamos pagar os desvarios financeiros dos senhores da ilha!

A divida dos tais três mil milhões de euros é bluff governativo aplicado em duplicidade resultante da contracção de empréstimos das famílias e das empresas ao facilitismo da banca e por sua vez, da banca aos organismos internacionais que tentam capitular as democracias ocidentais sendo a “negociação” do pagamento a dois anos resultante de um processo comprimido pela subjugação dos interesses económicos!

As receitas recolhidas na sobrecarga de impostos, anteriormente implementadas, são suficientes para colmatar os despesismos e os encargos da máquina estatal.

A ver vamos se estas decisões não descambam em indignação geral levando às tais convulsões sociais a que em tempo oportuno bem se referiu...

Saudações blogueiras!

Joaquim disse...

Aqui temos as medidas orçamentais da equipe que no inicio do ano chumbou o plano de estabilidade e crescimento que representava um sacrifício acrescido para os portugueses e aqui temos as medidas para os portugueses taparem os buracos dos desvarios dos bancos privados e o despesismo desenfreado das instituiçoes públicas do estado.Os banqueriros com comportamentos desviantes e os poderosos que detêm o monopólio dos mercados e fazem questão em importarem produtos estraneiros e enviarem as divisas para fora do país,esses mantêm-se imunes e intocáveis nos seus valores.

O Cidadão abt disse...

Caro joaquim:

1% estão in pacientes e os restantes 99% impa cientes ficam!

É necessária uma paciência de Jó para suportarmos tanta austeridade!

Com o rabinho de fora, sobram sempre os mesmos!

Thanks!

Avêspara disse...

O actual primeiro ministro, enquanto esteve na oposição, disse e redisse para quem quisesse ouvir (eleitores, leia-se), que aumentar impostos não. Um dos impostos que aumentou prontamente foi o IVA na electricidade e por isso vamos ter a electricidade mais cara da Europa comunitária, a par dos ricos Alemanha e Dinamarca. Não é preciso frisar que Portugal é a economia mais fraca da zona Euro.

Hoje rouba-se aos pobres para dar aos ricos. Neste sentido, o governo rouba o subsídio de natal a quem ganha mais de mil Euros, para poder pagar a reforma choruda de 18 mil Euros mensais a Mira Amaral, pela sua (curta) participação na gestão da CGD.

Mas há mais, o governo prepara-se para investir 16 mil milhões em barragens, cuja produção efectiva se fica por uns míseros 3% relativos ao consumo nacional em 2010.
Segundo o Biosfera, o Tua e o Sabor, são rios que correm pouco no Verão e por isso a água depois de passar as turbinas é retida num açude a juzante para ser bombeada novamente para a albufeira. Contas feitas e depois de requer electricidade das subsidiadas eólicas para a bombagem, a produção é equivalente a ZERO. Para além disso, prevê-se um decréscimo de 10 a 15% no caudal do Douro, pondo em causa a prõpria produção das barragens existentes neste rio.
16 mil milhões de Euros representa cerca de 1/5 da verba disponibilizada pela Troika. Ora vejam lá se não somos uns espertalhões.

Tenho pena de o dizer, mas não tenho esperança no país.

Avêspara disse...

A próposito disto:

http://www.youtube.com/watch?v=ICVzVKQaaFQ

um idiota escreveu isto:

"Não se trata de encontrar os erros da peça, o problema é encontrar uma só que seja... Certa. O que se trata é de explicar a crise aos imbecis, indignados, aos pequeninos e aos que confundem "A PUTA DA CRISE" com uma caixa de chocolates ou a luta com a festa? Enfim, sinais dos tempos... Tempos em que genial é um mero vendedor, ou publicitário, qual artista, qual cientista, queremos é ignorantes que nos vendam merda por bife. Indigna-te! Sim, e grita MERDA muito mais vezes. Mas não confundas é, um alerta de incêndio com publicidade enganosa (que é do que se trata)."

Digam lá se não somos (portugueses)mesmo muita bons

O Cidadão abt disse...

Avêspara:

Mas será que o governo português ainda tem 16 milhões de euros em cash?

Nas condições precárias de Mira Amaral há bastantes outros ex-gestores e ex-administradores de empresas de capital público!

Esses círculos viciosos de produção de energia a lucro zero, não ponderam os fiscais da Troika!

Sobre o vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=ICVzVKQaaFQ

...que todo o português deverá visionar, quanto ao comentador arrepiado com o tratado bastante útil nele representado, também ele entende que são os imbecis, os indignados e os pequeninos que continuam a arcar com as crises!

Mas muitos são os portugueses que insistem em ter a memória curta e a língua comprida, não será assim, caro(a) Avêspara?

Mande sempre!

Avêspara disse...

Vejâmos:

Primeiro as barragens.
Uma organização que luta pela defesa do Tua e pela introdução de um projecto de desenvolvimento económico para o vale, afirma que foi entregue à Troika, um pedido de análise à viabilidade deste empreendimento, estando a aguardar a resposta . Ainda há esperança.
O mesmo não se pode dizer do Sabor, porque não tem ninguém que o defenda.
Ainda no que respeita, às energias, o que se passa é o seguinte: não só as eólicas são subsidiadas pelo governo, como os consumidores são taxados conforme se pode constatar da factura da electricidade. Para além disto, quer as eólicas produzam ou não, a "renda", é sempre a mesma. Depois, temos as centrais e estas que não produzem quando o vento sopra ou chove muito não podem perder dinheiro e por isso recebem também uma "renda", extensiva à empresa que faz ao transporte de carvão, porque os contratos são para cumprir. No caso do Pego são duas as "rendas" a pagar já que esta situação refere-se também à central de ciclo combinado, que custou uns meros 600 milhões.
Como as eólicas em Portugal produzem pouco, isto porque já não montareco que não tenha estes moinhos Quichoteanos e porque o território nacional é pouco ventoso, o governo para cumprir as metas de produção que assumiu e não conseguiu, através das renováveis, lançou o absurdo plano nacional de barragens. Até uma míni hídrica no Mondego querem construir para, imagine-se, produzir 10 Megawatts. Isto é pra rir. A perda em termos de turismo para a zona onde querem construir a mini é enorme e os empresários ligados à hotelaria e lazer já fizeram saber que estão totalmente contra.

Quanto á memória do povo, penso que o povo está farto e isso reflecte-se nos 40% de abstenção, que terá tendência para aumentar, isto porque os que ainda têm esperança aos poucos a vão perdendo e acabam por se "filiar"
no maior partido português que é a abstenção. Em termos gerais, os governos hoje são eleitos apartir dos restantes 60%, que serão depois distribuidos pelos diferentes partidos e que resulta numa massa eleitoral saida das militâncias de base e dos simpatizantes ofuscados pela cegueira política, como se de um clube de futebol se tratasse. Assim temos, não só uma democracia deficitária como também minoritária. Resumindo, não acho que o povo tenha memória curta, o que me parece é que há muito opurtunismo corrupto, alguma ingenuidade e a tradicinal passividade portuguesa.


cumprimentos