.

.

Este militante anti-cinzentista adverte que o blogue poderá conter textos ou imagens socialmente chocantes, pelo que a sua execução incomodará algumas mentalidades mais conservadoras ou sensíveis, não pretendendo pactuar com o padronizado, correndo o risco de se tornar de difícil assimilação e aceitação para alguns leitores! Se isso ocorrer, então estará a alcançar os objectivos pretendidos, agitando consciências acomodadas, automatizadas, padronizadas, politicamente correctas, adormecidas... ou espartilhadas por fórmulas e preconceitos. Embora parte dos seus artigos se possam "condimentar" com alguma "gíria", não confundirá "liberdade de expressão" com libertinagem de expressão, considerando que "a nossa liberdade termina onde começa a liberdade dos outros"(K.Marx). Apresentará o conteúdo dos seus posts de modo satírico, irónico, sarcástico, dinâmico, algo corrosivo, ou profundo e reflexivo, pausado, daí o insistente uso de reticências, para que no termo das suas incursões, os ciberleitores olhem o mundo de uma maneira um pouco diferente... e tendam a "deixá-lo um bocadinho melhor do que o encontraram" (B.Powell). Na coluna à esquerda, o ciberleitor encontrará uma lista de interessantes sítios a consultar, abrangendo distintas correntes político-partidárias ou sociais, que não significará a conotação ou a "rotulagem" do Cidadão abt com alguma dessas correntes... mas tão só a abertura e o consequente o enriquecimento resultantes da análise aos diferentes ideais e correntes de opinião, porquanto os mesmos abordam temas pertinentes, actuais, válidos e úteis, dando especial primazia aos "nossos" blogues autóctones... Uma acutilância aqui, uma ironia ali, uma dica do além... Assim se vai construindo este blogue... Ligue o som e... Boas leituras.

domingo, 17 de abril de 2011

O MIAA E O FMI



O MIAA E O FMI


Com a capitulação económica de Portugal, os dominicanos poderão dormir descansados porque uma das rotas internacionais que cruzará Tubucci será a dos homens do Fundo Monetário Internacional.
Nos cocurutos da urbe tão depressa não veremos crescer uma pirâmide, uma esfinge, quiçá um faraó, isto é, se desde o início da miática epopeia, os planos do Museu Ibérico de Arqueologia e Arte não passaram de mero projecto para entreter o imaginário do pagode pelos recantos do Museu D. Lopo de Almeida, embutido nas arcadas da igreja de Santa Maria do Castelo, reforçando as contas bancárias da meia dúzia dos invariáveis senhores para quem os alegretes tubuccianos contribuíram com uns módicos 1.150.192,00 €uros.
Como cá o Cidadão abt ia escrevendo no início desta treta de crónica bastante desagradável para alguns despeitados, Portugal está sem tusto perdendo a capacidade de negociação e ficando sujeito às decisões dos senhores do FMI que vieram pôr ordem no galinheiro, implementando distintas regras e algumas das medidas que deveriam ter sido aplicadas a seu devido tempo, como seja a reorganização das divisões administrativas, aglutinando concelhos e freguesias e reformulando os meios humanos e logísticos da administração autárquica no sentido de reduzir o despesismo de tais organismos, muitos deles, fomentadores de grandes máquinas público-privadas sugadoras dos cobres populares.
O governo que resultar das próximas eleições de 5 de Junho do ano da graça de 2011, seja ele de coligação, de maioria absoluta ou de maioria relativa, pouco ou nenhum poder decisional terá em determinadas matérias, reflectindo-se nas administrações municipais que ficarão sem grande espaço para manobras na casa branca.
E, se as equipes do FMI vierem até este feudo tubuco e calhando, analisarem o faustoso projecto do Museu Ibérico de Arqueologia e Arte desenrolado sobre o estirador, decerto exclamarão:
“Oh pá! Ganhem juízo!”

8 comentários:

Aqui - Ali - Acolá disse...

Bom dia Caro Cidadão abt:

As rotas dos homens do FMI passam por cá?..

É lá, sendo assim acho que o pio de alguns galináceos e de outras galinhas chocas irá abrandar e quem sabe até desaparecer.

A propaganda do faz de conta já é velha e, como tal, nada melhor que mandar foguetes para o ar onde uns não rebentam e outros nem sequer sobem.

Estou preparado para a guerra das encolhas, (por cá, coisa que nunca abundou foi a gosma e bolsos a abarrotar) por isso, tal como dizia o homem e mulher que fizeram de mim gente foi assim:

Meu filho, olha que pecar tem muitos significados.

Há pecar por ser modesto demais e há pecar por ser ladrão ás escondidas, e quando pecares por seres modesto, um dia verás que os ladrões serão castigados.

Pôr ordem no galinheiro é muito precioso e, tal como já sei, o galinheiro deste local vai levar uma grande lavagem de mangueira a jacto, pois só assim pode ser limpo de tanta mixordice que por cá existe.

A capanguice e a graxa vai levar volta.

Os Bandeirinhas vão perder a força de poder segurar no pau e, muito mais se poderá ver, basta dar tempo ao tempo.

Algo já mexe nos tentáculos da máfia tubuciana que no arreganhar de dentes e no cossa cossa aparenta ter espinhas entaladas no gargalo.

Que venham rápido e eficazes para acabar com uma desbunda onde só interessa a quem a domina porque cá pelo meu lado espero assistir à dança tranquilamente e cantando como Verônica Ferriani:

Vidro moído ou areia
No café da manhã
E um sorriso nos lábios
Ensopadinho de pedra
No almoço e jantar
E um sorriso nos lábios

Põe um sorriso nos lábios
Põe um sorriso nos lábios
Sorria, sorria!
Põe um sorriso nos lábios..

Bom início de semana com um batente tranquilo, não descurando o pedonal para que não se enferrujem as articulações.

Joaquim disse...

Ora meu caro Cidadão!O que mais me custa é ver que nos aumentam os impostos e nos cortam nos salários para pagarem os projectos desta envergadura e outros de maior monta como o caso do TGV!Será que o FMI vem ensinar os nossos governantes a saberem aplicar os dinheiros públicos no essencial e deixarem-se de despesismos supérfulos? É pena que quem vá pagar esta capitulação com lingua de palmo sejamos sempre nós e não os gestores danosos deste país!

alcolobre disse...

Muito bem observado! Agora os nossos autarcas preocupem-se mas é em resolverem o problema da ETAR dos Carochos a despejar para o Tejo e deixem-se das tretas de se armarem em cicerones dos faraós, que já vão com muita sorte!

O Cidadão abt disse...

Quer dizer, caro Aqui-Ali-Acolá:

Mesmo que por cá não deiam uma voltinha turística, quando toca a cortar a direito e de cima abaixo, por cá se sortirão os efeitos!

Este Cidadão sempre se habituou a viver uma vida modesta com os planos e as continhas feitas à medida da carteira, não se alambazando com despesismos supérfluos.
Pena é, ter que andar a pagar as gestões danosas, as reformas chorudas e as extravagâncias dos outros.

De facto nos últimos tempos a autarquia revela-se mais vocacionada para as necessidades básicas dos seus munícipes, como a requalificação da extensão do Centro de Saúde de Rossio ao sul do Tejo, a aquisição de duas unidades móveis de saúde para assistência às populações mais isoladas do concelho, ou seja, há um orientar das preocupações para as questões primordiais, em detrimento do supérfluo e da ostentação, supõe-se de que.

Para as bandeirinhas se manterem hasteadas,

La necessité oblige!

Esperemos que estas medidas transponham o habitual rubicão propagandista!

O Cidadão abt disse...

Prontos, caro Joaquim!

Supõe cá o Cidadão que o respectivo feed-back já lhe foi dado através da resposta ao Aqui-Ali-Acolá!

Até uma próxima oportunidade!

O Cidadão abt disse...

Ó Alcolobre!

Vamos lá com calma!

Se for resolvido o problema da ETAR dos Carochos, passamos a comer percas, enguias, xarrocos, taínhas, bogas e fataças bastante mais magras, não acha?

Tramagalense disse...

Boas Cidadão

Na verdade as finanças abrantinas serão um caso interessante de seguir. O caso enunciado pelo Cidadão é um deles. Mas há mais, entre os quais, a "repavimentação" do centro, mais o aumento do orçamento em 33% (33, número interessante) em ano de aperto, mais andar a reduzir as comparticipações a multinacionais, mais os investimentos no "alguidar", entre tantos outros compromissos, são um óptimo indicador da maneira como se gerem os dinheiros públicos.
Cá estaremos para ver Cidadão.

saudações

O Cidadão abt disse...

Pois, ciber Tramagalense!

Os casos de desperdício das receitas dos contribuintes são tantos que não se conseguem ter todos em mente nem na ordem do dia!